“Manejo Clínico de Arboviroses” é tema de tele-educação

Posted on Posted in Fique Sabendo
Foto: Ricardo Pinho

Atualizar os conhecimentos acerca do que há de novo em arboviroses – Dengue, Chickungunyia e Zika. Essa foi a premissa da tele-educação realizada nesta quarta-feira (03), pela Fundação Estadual de Saúde (Funesa), através do Núcleo Telessaúde Sergipe, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES). A webpalestra teve como tema o “Manejo Clínico de Arboviroses”, cuja abordagem tratou sobre o cenário atual, contextualização sobre a incidência das doenças e protocolos a serem cumpridos.

Ao ministrar sobre os fatores que envolvem a circulação e proliferação dos arbovírus, o médico infectologista da SES, Marco Aurélio Góes, discorreu conceitos sobre epidemias, sintomatologias, emergência e óbitos, além de abordar sobre série histórica, evolução de casos entre 2019 e 2020, fases clínicas e outras estatísticas. “Nesse momento de pandemia do novo coronavírus (covid-19), é muito importante trazer discussão de arbovírus que existem em nosso território. Ano passado, durante a pandemia de covid-19, tivemos um aumento de casos de chickungunyia, além de casos de Dengue”, explicou.

Foto: Ricardo Pinho

O infectologista também ressaltou que “as mudanças climáticas contribuem para essa incidência. Nesse primeiro semestre a temperatura fica mais alta, além do aumento das chuvas. É necessário que o profissional de saúde esteja alerta para conseguir identificar sinais e sintomas dessas doenças; e saber que a abordagem inicial é essencial para diminuir a mortalidade e as sequelas que essas doenças podem deixar”.

Na oportunidade, a médica infectologista que atua no Hospital de Urgência do Estado de Sergipe Governador João Alves Filho – HUSE, Manuella Santiago Freitas, também apresentou sobre classificação de risco; sintomas; fatores de risco para agravamento; sinais de alarme; sinais de choque; sinais de gravidade associados a lesão de órgaõs-alvo; parâmetros para manejo clínico, manejo clínico em pacientes; e pontos-chaves no manejo clínico.

Atualmente há 172 pontos de Telessaúde que ficam instalados nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) localizadas no estado de Sergipe. Para a coordenadora do Telessaúde Sergipe, Eneida Ferreira, trazer a discussão desse tema é uma forma de preparar profissionais de saúde para o cuidado no período em que essas doenças podem aumentar nos territórios. “É gratificante saber que estamos qualificando trabalhadores da saúde em serviço. Se algum profissional perdeu ou pretende rever essa aula, basta acessar o YouTube, no canal Telessaúde Sergipe”, informou.